LEIA TAMBÉM

Pois bem, estava nesta manhã buscando escrever algo sobre a política em Maracanaú, mas todo texto começava com “A Câmara Municipal”, parei para refletir, e cheguei a conclusão que é de fato um assunto constante e sempre em caráter inédito, como se a mesma história, que repetidamente já assistimos, ganhasse uma “releitura”, com novos atores e novos personagens, digamos assim! Que começam a perturbar e escancarar a ausência dos demais, digo, os veteranos.

Na atual legislatura, quem tem “perturbado” bastante é o vereador Tales, este apesar de ter chegado agora já sentou na janela, talvez seja um dos nomes mais falados da Câmara hoje. Habilidoso no jogo de cenas, torna um assunto anteriormente ignorado em algo chocante, e leva isso para toda a população, que gosta sim de um bom espetáculo, e principalmente quando este é para confrontar os interesses de quem defende os interesses do prefeito, como por exemplo tentar convencer alguém que foi na ultima madrugada ao hospital, que pode não ter sido atendido(a), porém, “o médico estava lá”.

No meio de todo o jogo de “tapas e beijos”, nada, absolutamente nada mudou de substancial e concreto na vida das pessoas! não por conta desta legislatura.

continua depois da publicidade

continue lendo

Entre os novos personagens, surge também Raphael Pessoa, que, assim como Tales é o ídolo da oposição, Raphael é o ídolo dos governistas, para grande insatisfação do prefeito, que gostaria que o seu pupilo tivesse tal tamanho, e a mesma capacidade de um político “Pessoa Mota”. O interessante no jeito RPM é o fato de agradar, unir e colocar governistas e opositores na mesma mesa, na mesma receita e conseguir fazer um bolo, postura que eu não lembro de ter ouvido falar anteriormente, mas necessita ainda de muita observação, até porque só saberemos se este bolo sairá no ponto certo, quando o ambiente estiver de fato “quente”.

Não queria falar sobre o vereador Patriarca, porque ele talvez esteja sofrendo do mesmo problema que a ex-presidente Dilma, não sabe mais o que diz, ultimamente cai sempre em contradição, de tal modo que o prefeito deveria buscar uma negociação, entregar o Patriarca para a oposição e pegar o Júlio, afinal o ex-prefeito não está conseguindo atender as expectativas e o medo que se tinha de sua presença na Câmara, porém, Patriarca juntamente com Lucinildo tem sido os maiores baluartes da oposição, é como se fossem os bonecos do Judas levando fogo e paulada o dia todo.

O que nós munícipes podemos fazer, é sentar e assistir a sessão da Câmara, com um copo de Coca-Cola e uma Pipoca média, e no máximo gravar com o celular para se divertir de casa relembrando as gravações do nosso “Sai de Baixo”.