LEIA TAMBÉM

Com o objetivo de investigar organização criminosa acusada de peculato, lavagem de dinheiro e desvios de verbas públicas, a Polícia Federal (PF) em Roraima, em conjunto com a Receita Federal, deflagrou a Operação Anel de Giges, na manhã de hoje (28). Estão sendo cumpridos 17 mandados judiciais, sendo nove de busca e apreensão e oito de condução coercitiva (quando a pessoa é levada para a delegacia a fim de prestar depoimento e, em seguida, liberada).

Segundo a PF, durante a investigação "foi identificado o desvio de 32 milhões de reais dos cofres públicos, tendo como origem o superfaturamento na aquisição da Fazenda Recreio, localizada em Boa Vista, e na construção do empreendimento Vila Jardim, do projeto Minha Casa Minha Vida no bairro Cidade Satélite, na capital de Roraima".

continua depois da publicidade

continue lendo

São investigadas ainda, de acordo com a PF, as transações decorrentes da venda da fazenda para a construção do empreendimento, bem como a fiscalização e aprovação do financiamento pela Caixa Econômica Federal. Os mandados estão sendo cumpridos em endereços em Boa Vista, Belo Horizonte e Brasília. São apuradas suspeitas de crimes de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa envolvendo a Fazenda Recreio.

Anel de Giges, nome da operação, segundo a PF, é uma referência à citação em um dos livros da obra A República, de Platão, que aborda o tema justiça . “O Anel de Giges permite ao seu portador que fique invisível e cometa ilícitos sem consequências”, de acordo com a PF.