LEIA TAMBÉM

Indicação de Kassio Marques ao Supremo une alas do governo

Ao confirmar ontem a indicação do desembargador Kassio Nunes Marques para o Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente Jair Bolsonaro criou um inusitado consenso entre seus auxiliares militares, ideológicos, evangélicos e técnicos. Em rara concordância, nos bastidores relataram desapontamento com a escolha e surpresa com a rapidez da confirmação.

Após o anúncio na transmissão ao vivo nas redes sociais, a militância digital tratou de resumir o sentimento colocando a palavra "decepção" entre os assuntos mais comentados no Twitter. Apoiadores enviaram ao presidente, pelo WhatsApp, informações que, na visão deles, depunham contra o desembargador, mas foi em vão. O principal incômodo na base é que Marques agrada ao Congresso e a membros do STF, com quem há pouco tempo o governo e a militância trocavam farpas.

A avaliação no Planalto é que a reação nas redes sociais já é pior do que as críticas pela indicação de Augusto Aras para a Procuradoria-Geral da República, no ano passado. Supera até mesmo a ocasião em que o ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, deixou o governo.

Indicado com a bênção do Centrão, o empenho de Alcolumbre e com a chancela de Gilmar Mendes e Dias Toffoli, Marques se tornou imbatível, segundo interlocutores do governo, por ter o apoio do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). Ele é investigado no caso envolvendo seu ex-assessor Fabrício Queiroz e as "rachadinhas" na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) e que pode chegar à Corte.

continua depois da publicidade

continue lendo

Nomeação

Maria do Socorro Marques, mulher de Kassio, foi nomeada anteontem, para um cargo comissionado na Quarta Secretaria do Senado, atualmente comandada pelo senador Luis Carlos Heinze (PP-RS). A nomeação ocorreu no mesmo dia em que o presidente Jair Bolsonaro confirmou a indicação de Kassio Marques para a vaga de Celso de Mello no Supremo Tribunal Federal (STF), que se aposenta no dia 13.

Maria do Socorro era funcionária da liderança do Podemos e ocupava um cargo no gabinete do senador Elmano Férrer (PI), que recentemente foi para o PP. O partido é comandado pelo senador Ciro Nogueira (PP-PI), um dos principais líderes de Centrão, que contribuiu pela indicação e articula a aprovação de Marques pelo Senado. O presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), pretende fazer a sabatina a partir dia 15.

No gabinete do Podemos, Maria do Socorro recebia R$ 11,5 mil mensais. No site do Senado não consta quanto ela receberá na secretaria comandada pelo PP. Maria do Socorro já trabalhou em gabinetes de outros parlamentares do Piauí, entre eles o do ex-senador e atual governador do Estado, Wellington Dias (PT). Ontem, Elmano Férrer voltou a comemorar nas redes sociais a escolha de Bolsonaro. "Mérito e competência do Kassio refletem em orgulho do Nordeste e do Piauí em ter um representante na mais alta Corte do país", escreveu.

A assessoria do desembargador informou que a vaga de Maria do Socorro era da cota de Elmano Férrer no Podemos, e que a migração para a Quarta Secretaria foi feita por causa mudança do parlamentar para o PP. Procurado, Heinze disse que não estava sabendo da nomeação. A reportagem não localizou Maria Socorro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.