LEIA TAMBÉM

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, responsável pela formulação do programa de governo do PT, e a senadora Gleisi Hoffmann estiveram com o ex-presidente Lula, nesta quinta-feira (17), na superintendência da Polícia Federal, em Curitiba.

Ao falarem com jornalistas, após a visita, reforçaram o vigor do ex-presidente em discutir os principais temas que, segundo eles, afligem o Brasil.

“Estou muito impactado com a primeira visita que faço a Lula. Ele está muito bem, eu poderia dizer que é como se estivesse em uma sala do Instituto Lula do ponto de vista de sua capacidade de pensar o país e dirigir o Brasil, de perceber a realidade que o povo está vivendo, a necessidade de mudança nas eleições. Essa usurpação do poder por esse governo precisa ser revertida pelo voto do povo brasileiro”, afirmou Haddad.

+ Após mandado de prisão, Dirceu diz que 'só vai mudar de trincheira'

continua depois da publicidade

RECOMENDADAS

“Hoje fomos lá e encontramos o presidente firme, disposto e preocupado com o país. Claro que quer provar sua inocência. Ele disse: estão falando de indulto. Eu não quero indulto. Indulto é para culpado, é um perdão. E eu sou inocente e quero Justiça no meu processo”, ressaltou Gleisi.

Também ao lado do presidente do PT-RS, Pepe Vargas, e do deputado estadual Zé Carlos, a senadora reiterou que o Partido dos Trabalhadores defende a inocência de Lula e não reconhece essa condenação inválida e cheia de vícios, sem provas.

“Lula está muito preocupado com o Brasil. Ele quer que a gente diga ao povo que ele tem condições de governar o país, que já tirou o Brasil de uma situação muito ruim da economia e nos colocou no rumo do desenvolvimento. Resgatou a dignidade do povo e está disposto a fazer de novo. Ele é o candidato de parcela expressiva do povo. Mesmo com 37 dias preso, ele tem o mesmo patamar de votos. O povo teima porque conhece Lula, conhece o seu legado.”