LEIA TAMBÉM

Em reunião com presidentes dos Tribunais de Justiça dos Estados no Supremo Tribunal Federal na manhã desta quinta-feira, 8, o presidente da Corte Suprema, ministro Dias Toffoli, disse que o pagamento do auxílio-moradia a membros do Judiciário "era um ônus que estava recaindo sobre toda a magistratura". Ele reafirmou que, com a aprovação do reajuste do Judiciário, STF poderá resolver essa questão.

"Com essa recomposição, nós poderemos, a partir de agora, enfrentar e resolver a questão do auxílio-moradia, porque era um ônus que estava recaindo sobre toda a magistratura e toda a instituição. Então nós poderemos agora tratar desse tema de uma maneira adequada", disse.

+ Eunício define horário do juramento da Constituição por Bolsonaro

Ao abrir o encontro, o presidente do Supremo falou em "felicidade" ao citar a aprovação do projeto de lei do subsídio e foi aplaudido pelos chefes dos tribunais estaduais. O reajuste de 16,38% no salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e dos membros da Procuradoria-Geral da República (PGR) foi aprovado na quarta-feira, 7, pelo plenário do Senado Federal.

"Agradeço as senhoras e senhores que atuaram junto ao Congresso Nacional no sentido de deixar claro o quão justo e correto era essa revisão, uma vez que, na verdade, trata-se de uma recomposição de perdas inflacionárias de um período já bastante antigo, de 2009 a 2014."

Considerado o teto do funcionalismo, a remuneração passará de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil mensais. Os dois projetos de lei que previam os aumentos já haviam sido aprovados na Câmara dos Deputados e agora seguem para a sanção presidencial.

continua depois da publicidade

RECOMENDADAS

continue lendo

"Eu tenho sempre referido que não se trata de aumento, muito pelo contrário, várias carreiras ao longo desse período tiveram as suas revisões e a magistratura é que se encontrava defasada em relação a essas revisões", disse Toffoli.

Na noite desta quarta-feira, antes de participar de evento no Superior Tribunal de Justiça (STJ), o presidente do Supremo informou que vai procurar o vice-presidente da Corte, ministro Luiz Fux, para ver a "melhor hora" de o tribunal decidir sobre o auxílio-moradia.

Entre as pautas da reunião do presidente do STF com os presidentes dos Tribunais de Justiça dos Estados nesta quinta-feira estão as metas para o Poder Judiciário em 2019, o tratamento adequado dos conflitos de interesse, tecnologia de informação e de comunicação do Judiciário, por exemplo.

Penduricalhos

Em conversa com jornalistas ao final de um evento no Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), o ministro Gilmar Mendes afirmou que o auxílio-moradia é um adicional colocado no subsídio do Judiciário de forma não muito regular.

"É preciso que o salário seja adequado e justo, mas que não haja abuso e penduricalho e, sobretudo, que não haja iniciativas de fura teto para, de alguma forma, contornar o que está estabelecido. Precisamos realmente ter essa noção e é fundamental que a legislação seja cumprida", afirmou o ministro.

ASSUNTOS RELACIONADOS

No Content Available