LEIA TAMBÉM

DÉLI, ÍNDIA (FOLHAPRESS) – O presidente Jair Bolsonaro foi a um templo hindu e comeu arroz e macarrão à bolonhesa em seu primeiro dia de visita oficial à Índia. Ele está no país para anunciar quase 20 acordos bilaterais, o mais importante deles visando dar segurança jurídica aos investidores indianos no Brasil – e brasileiros na Índia.

Bolsonaro chegou por volta das 16h no hotel em que se hospeda, em Déli, que está cercado de seguranças. No caminho para o hotel e no portão, há cartazes com fotos de Bolsonaro e do primeiro ministro Narendra Modi, e os dizeres "bem-vindo" em português e hindi.

O brasileiro foi recebido no hotel com uma guirlanda de flores, típica hindu, e um bindi, marquinha feita com cúrcuma na testa.

Em sua primeira saída, Bolsonaro foi ao templo Akshardham, maior templo hindu construído neste século. Ele é da seita Swaminarayana, do guru Sahajanand Swami.

Modi levou o primeiro-ministro australiano Malcolm Turnbull ao templo em 2017.

continua depois da publicidade

continue lendo

Depois, Bolsonaro visitou o mercado Dilli Haat com a filha, Laura, 9, e Letícia Firmo, 16 – ela é a filha mais velha de Michele, do casamento anterior. Dilli Haat é um mercado em Déli que reúne artesãos de vários estados da Índia, e vende xales, cerâmicas, quadros e tecidos.

Bolsonaro disse que não comprou nada no mercado. "Eu não compro nada, sempre viajo com US$ 1 mil dólares e volto com US$ 660 – sem usar cartão corporativo."

Depois, foi comer em um restaurante que, segundo ele, foi escolhido pela equipe da segurança presidencial. "Comi arroz, macarrão à bolonhesa. Comida boa, excelente comida", disse Bolsonaro.

No sábado (25), o presidente participa de reuniões com o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, e outras autoridades indianas, e de um banquete oferecido pelo anfitrião.

No domingo (26), Bolsonaro será o convidado de honra do desfile do Dia da República na Índia. E, na segunda-feira (27), ele abre um seminário empresarial Brasil-Índia. De lá, irá para o Taj Mahal, um dos principais pontos turísticos do país, que será fechado para o presidente e sua comitiva.