LEIA TAMBÉM

O líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), já chegou ao Senado para sua oitiva na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid. Em entrevista coletiva antes da reunião, o parlamentar negou qualquer envolvimento em nas negociações da venda de vacinas da Covaxin, investigadas pela CPI, e afirmou que o presidente Jair Bolsonaro jamais alegou que ele estaria envolvido como caso, como acusou o deputado Luis Miranda (DEM-DF)

"Presidente Bolsonaro nunca afirmou que eu estava envolvido no caso Covaxin", disse o líder do governo. "Em todas as narrativas do Luis Miranda ele repete a mesma coisa, eles mostraram minha foto ao presidente, no caso Global, e o presidente perguntou se eu estava envolvido no caso Covaxin", defendeu o líder.

Barros foi acusado de atuar em um suposto esquema de corrupção na compra de imunizantes. O parlamentar foi citado pela primeira vez na CPI por Miranda, que alegou que, ao levar ao presidente que o contrato de compra da Covaxin estava com uma série de irregularidades, o presidente teria afirmado que isso deveria ser algo relacionado a Barros.

continua depois da publicidade

continue lendo

"Fui citado aqui mais de uma centena de vezes, senadores perguntaram para todos os que vieram depor aqui se tinham relacionamento comigo, se sabia de alguma coisa, e todos negaram" afirmou o deputado.

Sobre a falta de defesa do presidente a ele, Barros disse que Bolsonaro está correto em não se envolver na discussão. "Eu nunca tratei deste assunto com o presidente Bolsonaro porque acho que ele está absolutamente correto em não responder ao Luis Miranda. Eu sou terceiro, citado numa conversa de outros onde uma parte não confirma a conversa. Então é apenas uma versão que o Luis Miranda colocou, e eu tenho que admitir aqui, ele sempre colocou corretamente, que o presidente perguntou sobre a minha participação", pontuou.

Barros terminou a coletiva reforçando que nunca participou de nenhuma negociação da Covaxin, e que seu interesse sempre foi a aquisição de vacinas "o mais rápido possível para todos os brasileiros". "Hoje vamos encerrar esse grande mal entendido", declarou.