LEIA TAMBÉM

Pelo menos cinco pessoas estão envolvidas em um esquema de desvio de mercadorias de uma rede de loja de móveis com estoque localizado em Maracanaú. A associação criminosa foi desarticulada pela Delegacia de Roubos e Furtos (DRF) na última quarta-feira, 19. Os cinco suspeitos presos eram funcionários da empresa e confessaram o roubo de móveis e eletroeletrônicos. Dois deles, um motorista de caminhão de entregas e seu ajudante, foram detidos em flagrante descarregando os objetos na residência de um integrante do grupo criminoso.

Segundo o delegado Rommel Kerth, ainda não é possível saber por quanto tempo o grupo roubava as mercadorias. No entanto, na casa de um dos suspeitos foram encontrados móveis já velhos e usados, que indicam a longa duração da operação ilícita. Os presos são os ajudantes Antônio Milton Sandré da Silva, 38, e Francisco Marcélio Ferreira de Sousa, 35, bem como os motoristas Savio Moreira da Ponte, 34, e José Francisco Ferreira dos Santos, 51. Este último, conhecido como Netão, já respondia por receptação. As informações foram divulgadas em coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira, 25.

continua depois da publicidade

continue lendo

Para a Polícia, a principal chave para que o grupo tivesse sucesso nos roubos é Iago de Souza Nascimento, 24. O jovem trabalhava conferindo quais móveis entravam no caminhão de entrega e conseguia colocar os que seriam desviados para o grupo sem ser percebido. Ele já tinha cumprido pena por tráfico de drogas e tem quatro passagens por homicídio, além de ser testemunha em outros seis casos.

Racks, camas de casal e aparelhos de som são alguns dos objetos roubados, de acordo com o delegado adjunto Sidney Lira. Existem indícios de que ar-condicionados e televisões também sumiram do estoque, mas não foram encontrados. É possível que os suspeitos tenham negociado os equipamentos em sites de vendas online. Uma das TVs era o prêmio de um bingo que seria realizado em um bar próximo à casa de um dos envolvidos.

Os suspeitos responderão por furto qualificado e associação criminosa. As investigações, que duraram 15 dias, devem continuar para descobrir quanto de fato foi roubado da empresa e se ainda existem mais pessoas envolvidas nos crimes. A DRF espera uma auditoria oficial do estoque da loja para obter mais informações.