LEIA TAMBÉM

A empresa, que está também desenvolvendo uma possível vacina contra o novo coronavírus em conjunto com a Universidade de Oxford, destacou que o medicamento, conhecido como AZD7442, é uma combinação de dois anticorpos monoclonais (anticorpos idênticos).

Segundo a farmacêutica, o ensaio, em que participam 48 voluntários entre 18 e 55 anos no Reino Unido, é um "marco importante" no desenvolvimento do medicamento, que tem potencial para ser preventivo para as pessoas mais expostas ao coronavírus, bem como a possibilidade de tratar doentes com covid-19.

A AstraZeneca participa com a Oxford no desenvolvimento de uma potencial vacina contra o novo coronavírus, que "parece segura e gera anticorpos", de acordo com os resultados dos primeiros testes divulgados em julho.

continua depois da publicidade

continue lendo

Durante os testes clínicos conduzidos por especialistas de Oxford com 1.077 voluntários, a vacina originou anticorpos e glóbulos brancos que podem combater o vírus.

Atualmente, essa vacina potencial está na fase 3 dos testes clínicos, o último antes de receber a aprovação das autoridades regulatórias.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 809 mil mortos e infectou mais de 23,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.