Leia também

O presidente Michel Temer pediu “trégua de uns dois ou três dias no máximo” aos caminhoneiros que estão paralisando serviços, entrega de combustível e abastecimento de supermercados em todo o País, por conta de uma greve pela redução dos preços do óleo diesel. Já o movimento deu ao governo até a sexta-feira para que seja apresentada uma proposta de redução do preço do combustível.

Até lá, caminhões continuarão parados. Se nenhuma proposta considerada adequada for apresentada, o movimento será ampliado e motoristas prometem paralisação total a partir de sábado. A informação foi dada pelo presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes, que se reuniu com a cúpula do governo para negociar o tema.

A categoria dos caminhoneiros participou de uma reunião no Palácio do Planalto na tarde desta quarta-feira. No encontro, o governo pediu uma trégua de uma semana para negociar uma solução para o custo dos combustíveis. O movimento, porém, rejeitou a proposta e os caminhoneiros deram dois dias para que o governo traga uma proposta para redução do preço dos combustíveis.

Até sexta-feira, segundo Fonseca Lopes, o movimento de paralisação continuará normalmente nos Estados, mas será permitido tráfego de medicamentos, carga viva e perecíveis. “Mas se na sexta-feira não apresentarem nada, vai parar tudo”, disse o presidente em entrevista após a reunião no Palácio do Planalto.

Ao decidir falar, Temer não sabia da resposta já dada pelos representantes do setor que, naquele momento já haviam rejeitado a suspensão do movimento como pedira o governo e decidido pela continuidade da paralisação.

“Desde domingo estamos trabalhando neste tema para dar tranquilidade não só ao brasileiro que não quer ver paralisado o abastecimento, mas também tentado encontrar uma solução que facilite a vida especialmente dos caminhoneiros”, declarou Temer, ao ser questionado pela imprensa se ia deixar o movimento se estender por mais dias.

Um impasse em relação à paralisação foi criado após o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ter cobrado de Temer a assinatura imediata, ainda nesta quarta-feira, de um decreto revogando a Cide para o diesel, quando o acordado com o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, foi que, assim que o Congresso votasse a desoneração da folha de pagamentos de empresas, o presidente assinaria o decreto para que um gasto fosse compensado com o outro. Agora, como se estivesse “esticando a corda”, nos dizeres de um assessor presidencial, Maia diz que Temer tem de assinar o decreto zerando a alíquota do diesel, sem que a contrapartida esteja garantida, o que, a princípio, estava sendo considerado impossível.

Novas reuniões serão realizadas no Planalto ainda hoje para se chegue a uma conclusão do que poderá ser feito para amenizar os problemas que já começam a ser sentidos pela população. Um interlocutor direto do presidente disse ao Estado que a situação “está se agravando muito rapidamente”, o que acendeu um alerta no Planalto.

continua depois da publicidade

Recomendadas

Reunião. O governo não apresentou nenhuma proposta aos caminhoneiros na reunião realizada há pouco na Casa Civil, informou o presidente da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), Diumar Bueno. “O governo veio mais justificar a impossibilidade de atender às reivindicações da categoria”, disse. “Ele sentiu o peso do movimento, que está tomando conta do País, e jogamos a responsabilidade para eles, porque eles foram avisados há mais ou menos um mês.”

O governo pediu mais 24 horas para apresentar alguma proposta, informou. E ficou estabelecida uma comissão formada pelos representantes dos caminhoneiros e do governo. Uma nova reunião foi marcada para amanhã, às 14 horas.

Segundo Bueno, o governo confirmou que a Cide do diesel será zerada, e não haverá reoneração da folha para o setor de transporte. “Mas isso só é insuficiente. Representa cinco centavos no preço, se for repassado.”

Já em relação ao pedido de retirada do PIS/Cofins sobre o diesel, o representante dos caminhoneiros disse que o governo informou não estar preparado para responder ao pedido e ficou de apresentar uma proposta amanhã. O mesmo se aplica ao pedido de escalonamento em três meses dos reajustes do diesel.

“Sobre a política de preços da Petrobrás, disseram que tem um gestor lá. A Petrobras, parece que não é do Brasil. Tem uma pessoa que é o gestor e (a resposta) depende dessa pessoa, e é isso que vão conversar agora.” É possível que um representante da estatal participe da reunião de amanhã.

Diante desse resultado, a greve continuará, segundo informou o presidente da CNTA. “Pela minha leitura, a categoria não se desmobiliza por causa dessa reunião”, afirmou. “A categoria não está disponível para promessas em vão, abertas.”

Questionado sobre os prejuízos que a paralisação dos caminhoneiros traz à população, ele respondeu que a pergunta deveria ser dirigida aos ministros. “O governo deixou a situação chegar nesse ponto crítico, agora precisam dar solução.”

Ele explicou, ainda, que as entidades representativas não correm o risco de serem multadas porque o movimento ocorre dentro dos ditames da lei. “Não há interrupção de nenhuma rodovia”, afirmou. “A categoria, de forma inédita, mostrou que não é anarquista e fez o movimento dentro da lei.”

Segundo explicou, não há interdição total em nenhuma rodovia. É autorizada a passagem de veículos especiais, ambulâncias, carros pequenos, veículos de passageiros, transporte de produtos clínicos e carga viva.

Segundo Bueno, a paralisação não tem caráter político, nem econômico. “É por uma questão de sobrevivência”, afirmou. “A categoria não aguenta mais trabalhar sem rentabilidade.”

ESPECIAL, com informações do ESTADÃO

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Carla Perez se diverte em praia e fãs elogiam boa forma da ex-dançarina

Mesmo com vários shows marcados pelo nordeste brasileiro com a banda Harmonia do Samba, o vocalista Xanndy não perde a oportunidade para se divertir e relaxar ao lado da mulher, Carla Perez. Neste sábado (23), o casal resolveu curtir as belezas naturais da praia de Muro Alto, em Porto de Galinhas, Pernambuco e Carla fez questão de publicar no Instagram um pouco da rotina da dupla e mostrou que conseguiu ficar em pé em uma prancha e praticar stand up paddle. "A primeira vez a gente nunca esquece", escreveu ela na legenda da foto, que foi tirada por Xanndy. Casada há 17 anos e com dois filhos, Camilly Victoria, 16, e Victor Alexandre, 14, Carla vai completar 41 anos em novembro e sempre que posta imagem de biquíni recebe vários elogios dos fãs pela boa forma."Diva","Maravilhosa", e "Plena" foram alguns dos adjetivos ganhos pela ex-dançarina. Uma publicação partilhada por CARLA PEREZ (@carlaperezcpx) a 23 de Jun, 2018 às 12:59 PDT Com informações da Folhapress.