Putin: ‘Queremos oferecer cooperação no setor nuclear e de gás natural’

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse nesta quarta-feira, 13, que está pronto para aumentar cooperação com países do Brics para fornecimento de fontes renováveis de energia.

"A Rússia tem as mais modernas tecnologias de energia limpa e estamos dispostos a aumentar nossa cooperação neste setor, começando com Índia e China", disse Putin no encerramento do Fórum Empresarial dos Brics.

O presidente russo afirmou que deseja fortalecer o uso do gás natural. "Também queremos oferecer cooperação no setor nuclear", declarou.

Putin está em Brasília para participar da 11ª Cúpula do Brics, que se encerra na quinta, 14. Além dele, acompanham o evento o presidente Jair Bolsonaro; o presidente da China, Xi Jinping; o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi; e o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa.

Putin disse que é preciso fortalecer o vínculo entre países do Brics. "Sei que importantes negociações ocorreram. Está na hora de implementá-las", disse.

O presidente da Rússia afirmou que a situação da economia global segue "complexa", mas que países emergentes têm contribuição importante para o crescimento. Segundo ele, a recessão tem levado ao aumento de "atitudes protecionistas e problemas alfandegários".

Leia Também

Putin disse que tenta implantar políticas econômicas equilibradas, estimular mercado de crédito, e manter o nível de vida da população russa, o que afastaria o país de uma recessão mais duradoura, segundo ele.

O presidente citou negócios nas áreas farmacêutica, de exploração aeroespacial e aeronáutica como potenciais próximas cooperações da Rússia com países emergentes. "Queremos aumentar cooperação também na área de informação e informática", disse, citando o mercado de antivírus como um destaque.

Segundo Putin, a Rússia busca melhorar o "arcabouço regulatório". Ele disse que após o primeiro trimestre deste ano, o preço dos títulos de seu país teve aumento significativo. Ainda declarou que recentemente cresceu mais de 20% o comércio da Rússia com países do Brics.