LEIA TAMBÉM

DAVOS, SUÍÇA (FOLHAPRESS) – O presidente do banco Itaú Unibanco, Candido Bracher, sai do Fórum Econômico Mundial, em Davos, aliviado com os bons resultados apresentados pela equipe econômica. Apesar de não ver um "big bang" nos investimentos estrangeiros em 2020, diz acreditar que o cenário é de expansão dos negócios diante da nova realidade de juro baixo no Brasil.

No entanto, Bracher ficou preocupado com a visão, já recorrente entre os investidores estrangeiros, especialmente europeus, de que o Brasil não é um país ambientalmente correto.

"É muito difícil formar um juízo sobre o que acontece no meio ambiente, porque há muita informação desencontrada. Mas, do ponto de vista de comunicação, estamos muito mal. Em qualquer fórum aqui na Europa o Brasil é visto como um mau exemplo de proteção ambiental", afirma.

No terreno político, também ecoam nos escritórios das empresas no exterior ruídos vindos de Brasília, que alimentam desconfianças sobre a estabilidade política brasileira. Nesse campo, porém, Bracher diz ter bons argumentos para tranquilizá-los.

"Tivemos uma migração para os polos em termo de discussão ideológica. E, sim, posso contar que houve essa migração para os polos no Brasil, mas também que as instituições estão suportando bem esse debate e permitindo que ocorra dentro de um clima de ordem", diz ele. "O que eu tenho prazer te dizer, acreditando no que estou dizendo, e eles ficam contentes de ouvir, é que o Congresso adquiriu uma outra dimensão, uma proatividade, nesse novo governo."

Pelo que ocorreu na edição deste ano em Davos, qual é o cenário que o sr. traça para os investimentos no Brasil ao longo de 2020?

Bracher – Foi um bom evento do Brasil, ao menos pelo que ouvi dos investidores e pelo relato do nosso time aqui. O Brasil tinha, desta vez, um time apenas, o do Paulo Guedes [ministro da Economia]. Ouvi ele falar mais de uma vez e fiquei impressionado com o alinhamento do discurso. É muito reconfortante quando você ouve quatro pessoas que representam o país falando de uma maneira alinhada, na mesma direção, com falas complementares. Eles transmitiram essa impressão de grande harmonia dentro da equipe econômica. Eu ouvi o Carlos da Costa [secretário de Competitividade, Emprego e Produtividade], o Gustavo Montezano [presidente do BNDES], o Marcos Troyjo [secretário de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais], além do Paulo Guedes.Fiquei com a impressão que a mensagem neste ano era mais fácil que a do ano anterior.

Por quê?

Bracher – No ano passado, era só promessa na economia. Você não sabia que o vinha. O ministro das finanças era novo e tinha de aprovar a reforma da Previdência, uma promessa antiga e não cumprida. As pessoas gostavam de ouvir o que se falava sobre quanto iam economizar e o que se propunha a fazer, mas todo mundo ouvia e saia pensando: 'ok, agora vamos ver se entregam'.

Neste ano eles disseram: 'sabe aquela reforma da Previdência? Fizemos'. E em função dela foi possível reduzir as taxas de juros sensivelmente. Isso fez com que a relação dívida pública sobre PIB [Produto Interno Bruto] tenha crescido menos de 0,5% -[antes] se imaginava que cresceria 3%, 3,5% no ano. Quando você transmite algo assim, já ganha a credibilidade da plateia.

Essa reforma é muito importante do ponto de vista dos investidores. A perspectiva de equilibrar a relação dívida pública sobre o PIB era o elo que faltava no cenário macroeconômico -e aqui estou sempre falando do cenário do ponto de vista econômico.

A gente já tinha uma situação externa muito sólida, com reservas elevadas; déficit em conta corrente controlado; investimento estrangeiro elevado; um cenário positivo de inflação. Estava faltando essa questão fiscal, que ameaçava por tudo a perder. Eu lembro de já ter falado isso algumas vezes: tanto a inflação baixa quanto o cenário externo forte se mantinham porque havia uma expectativa de correção na situação fiscal. Se ela não fosse corrigida, a gente perderia aquela duas outras pernas do quadro macroeconômico.

Isso foi apenas entrada. O discurso neste ano passou a falar de reformas complementares que, eles acreditam, serão feitas neste ano.

Falam basicamente de três reformas. Da reforma administrativa, que é um complemento importante da reforma fiscal, para a eficiência do Estado. OK, uma coisa é conseguir gastar menos – o que já seria um bom avanço, pois o gasto equivale a 34%, 35% do PIB. Mas reforma administrativa não se trata apenas de gastar menos, se trata de gastar bem. Se trata de adotar mudanças para fazer com que esses gastos de 35% do PIB ofereçam serviços públicos melhores. Falaram também da reforma tributária e do pacto federativo. E falaram com um tom otimista. Espero que estejam certos.Nesse primeiro ano de governo, o presidente Bolsonaro teve vários embates com o Congresso, discussões públicas com outros chefes de Estado, se envolveu em várias polêmicas que reverberaram internacionalmente.

Os investidores estrangeiros perguntam sobre a questão política do Brasil?

Bracher – Perguntam, nas conversas one a one [individuais] -e aqui eu praticamente só tenho conversas one a one. Eles sempre traçam um paralelo grande entre o presidente Bolsonaro e o presidente [americano, Donald] Trump, pelo estilo semelhante. Então, não é uma coisa que chega a surpreender tanto.

Mas o que eu tenho prazer te dizer, acreditando no que estou dizendo, e eles ficam contentes de ouvir, é que o Congresso adquiriu uma outra dimensão, uma proatividade, nesse novo governo. O Congresso assumiu outro papel nas discussões no Brasil, propondo medidas, aprimorando medidas que são enviadas pelo Executivo.

Os estrangeiros não olham o Brasil de forma idiossincrática, mas de forma estrutural. É bom você poder dizer que as instituições estão suportando uma situação política com pontos de vista mais extremados. E essa situação não é uma particularidade nossa.

Eu li que Niall Fergusson, um intelectual muito respeitado, teria dito que o Bernie Sanders vai ser o candidato democrata na eleição americana. Não sei se vai ser, não entendo nada de eleição americana, mas imagine uma campanha que tenha Bernie Sanders [democrata que se declara socialista] e Trump.

Tem situação em que pontos de vista podem ser mais extremados?

Bracher – Tivemos uma migração para os polos em termo de discussão ideológica e é bom você pode dizer que, sim, houve essa migração para os polos nos Brasil, mas as instituições estão suportando bem esse debate e permitindo que ocorra dentro de um clima de ordem.No ano passado, após a eleição, havia a expectativa de que o investidor estrangeiro entraria com mais força. Ele entrou, mas menos que o esperado, sob qualquer ponto de vista, tanto na Bolsa, quanto nos investimentos empresariais.

Qual é o cenário para 2020?

Bracher – Aqui vou especificar uma coisa, repetindo um pouco o que ouvi de Paulo Guedes e acredito ser verdadeiro. A redução da taxa de juros fez com que o Brasil deixasse de ser o país do carry trade. Carry trade é quando você fica vendido na moeda que paga taxa de juro baixa, no caso dólar, e compra moeda que paga uma taxa de juro alta, que era o real. Durante muitos anos o Brasil foi o paraíso do carry trade. Ainda que exista um diferencial entre taxa de juro brasileira e americana, a nossa da taxa de juro doméstica é outra. O Brasil não é mais o país do carry trade.

Boa parte dos recursos que deixaram o país nesse tempo foi em função da redução da taxa de juros. Eram recursos financeiros de curto prazo, bons recursos, mas era natural que saíssem. E teve o efeito positivo de impedir uma apreciação excessiva do real. A gente sempre temeu que o equilíbrio macroeconômico fosse trazer um grande influxo de investimentos financeiros e, com isso, uma apreciação do real, enfraquecendo o cenário externo: teríamos um déficit em conta corrente muito mais elevado. De fato, houve aumento do déficit em conta corrente, mas nada tão preocupante.

continua depois da publicidade

continue lendo

Na parte dos investimentos estratégicos, no mercado de fusões e aquisições, o interesse está grande. Imagino que os investimentos vão se elevar paulatinamente. Não vejo um "big bang", um crescimento enorme de influxo de investimentos. O Brasil é hoje o quarto destino no mundo de investimento direto estrangeiro, e isso é uma coisa extraordinária. O primeiro são os Estados Unidos, aí vem China, Singapura e Brasil.

O sr. está mencionando o relatório da Uctad [agência da ONU para comércio e desenvolvimento] que saiu na véspera do fórum, mas muitas pessoas disseram que foram surpreendidas pelo resultado. O sr. não foi?

Bracher – A gente sempre teve boas posições nesse ranking. Mesmo em anos mais difíceis, nunca deixamos de ser destino de investimento estrangeiro. É um pouco aquela história do biscoito Tostines: é fresquinho porque vende muito ou vende muito porque é fresquinho? Como você já teve investimentos no passado, você continua tendo agora, porque é preciso realimentar os investimentos que já têm no mercado.Mas eu, sim, fiquei surpreso com esse resultado.

No aspecto ambiental também estamos bem diante dos investidores?

Bracher – É muito difícil formar um juízo sobre o que acontece no meio ambiente, porque há muita informação desencontrada. Mas, do ponto de vista de comunicação, estamos muito mal. Em qualquer fórum aqui na Europa, o Brasil é visto como um mal exemplo de proteção ambiental.

E isso preocupa os investidores?

Bracher – Preocupa, e ainda bem que preocupa. Acho ótimo porque nos motiva a fazer melhor e certamente precisa também nos motivar a comunicar melhor o que fazemos. Não dá para cuidar só do equilíbrio macroeconômico e não se preocupar em como a gente trata o meio ambiente e como comunica o que faz.

O que vejo de positivo é que isso não é só uma coisa de governo. Eu vejo aqui na Europa muitas empresas tomando iniciativas, se propondo a cumprir metas ambientais em suas atividades. Existe uma concertação, uma articulação com praticamente todos os chefes de empresas. Há uma tomada consciência.

Ela não ocorre ou não é clara no Brasil?

Bracher – Ela vai ocorrer. Você pode dizer que elogio em boca própria é vitupério, mas nós temos no nosso site oito linhas de atuação clara, que cobre 11 dos 17 SDGs [objetivos de desenvolvimento sustentável desenhados pela ONU], todos com metas. Se cada um, dentro de sua área, se comportar de maneira ambientalmente correta, já é um grande passo. E a gente também precisa cobrar o poder público para que faça a sua parte.

O que mais preocupa esses investidores que tratam de questões ambientais?

Bracher – Os focos de incêndios na Amazônia são visivelmente o que mais preocupa. E não adianta dizer que tem fogo na Austrália. Isso aqui não é uma competição. Falar 'ahh você reclama de mim, mas tem fogo na Austrália' não é justificativa. O mundo é um só, todo mundo respira o mesmo ar, mas cada um cuida de si. A Amazônia é nossa e é a gente que precisa cuidar dela.

Essa edição do fórum teve meio ambiente com um dos pilares, mas o Brasil não foi representado pelo ministro do Meio Ambiente. Paulo Guedes teve de cumprir também esse papel. Funciona?

Bracher – Ele adquiriu tanta credibilidade pelo que entregou na economia que, eventualmente, não seria mau que ele também tivesse maior influência na política ambiental no Brasil e pudesse exigir 'olha aqui, isso aqui é importante para a economia do Brasil'. Se já não basta a abundância de razões para a defesa do meio ambiente, ele pode defender que é importante para a economia.

O sr. sentiu que Davos deu esse recado para o governo brasileiro?

Bracher – Sem dúvida.

Nesse novo Brasil, como o Itaú planeja se posicionar?

Bracher – Vamos manter o crescimento em carteira de crédito. Estamos muito felizes de voltar a crescer em carteira de crédito. Ainda não tenho o número consolidado, não posso nem falar, mas sabemos que houve crescimento. Vamos continuar nos posicionando para crescer no mercado de capitais. O atual aumento do mercado de capitais foi algo que sempre quis ver acontecer. Nosso banco de investimento está tendo um ano recorde. A última vez que fez algo parecido foi em 2007 – imagina há quanto tempo não tínhamos algo assim. É uma beleza ver que o mercado de capitais é capaz de suprir as necessidades das empresas, seja com emissões ou créditos.

A parte de asset managment [gestão de ativos] tem crescido muito também. E nós crescemos com nossos fundos e com fundos de terceiros. Os nossos estão crescendo, 17%, e o de terceiros, 55%.

Mas é importante lembrar que tudo isso é reflexo da taxa de juro mais baixa, que torna as pessoas mais propensas a tomar mais risco, para recuperar um pouco a rentabilidade. Isso favorece a indústria de fundos, o mercado acionário.

Nesse novo cenário, conseguem visualizar novos produtos financeiros?

Bracher – Nossa área de investimento em fundos tem trabalhado com produtos de mais volatilidade, mas com expectativas de retornos maiores. Temos contratado para ampliar diversas equipes, para expandir e ter capacidade de atender aos novos pedidos. Mas isso tudo é 2020. Temos a grande preocupação de como preparar o Itaú para o médio prazo. E aqui a gente tem quatro frentes, com objetivos e métricas para coisas que vão ter impacto no banco por um longo período.

A primeira é evoluir em satisfação do cliente. Nossa ambição é ser uma das melhores do mundo em satisfação do cliente – e estamos longe. Temos um longo caminho porque é uma transformação cultural no banco. Nesse ano que passou, ganhou tração e melhoramos indicadores. Só que você não faz isso apenas mudando a atitude das pessoas. Apesar de ser condição necessária, isso não é suficiente.

A outra questão é tecnologia. Temos que ter os melhores produtos, em prazos menores, com maior flexibilidade. Sendo que empresas estabelecidas têm a desvantagem de atuar com os tais sistemas legados. Concorremos com empresas que começaram ontem e seus sistemas são novinhos. Já ganhamos muita produtividade na nossa tecnologia e aqui, em Davos, aproveito para conversar com fornecedores e bancos que têm problemas como os nossos para ver que soluções estão implementando.

A outra coisa é buscar eficiência, também para atender a satisfação do cliente. Um elemento importantíssimo na satisfação do cliente é preço. E você só pode ter preço competitivo, se tiver eficiência. O banco precisa fazer uma transformação na sua estrutura de custo. Não se trata apenas da disciplina de controle que temos, mas de transformação na forma dos controles.

Banco é um negócio de prestação de serviços, então pessoas são uma questão vital. Os fatores que motivam as pessoas mudaram, são diferentes, por exemplo, do que foram para mim quando eu era jovem. As pessoas querem mais autonomia, outras formas de trabalhar, funcionar. Temos investido muito para ter um ambiente mais aberto e mais diverso.

Todas essas mudanças não começaram agora, mas estão ganhando tração. E é fascinante o que temos pela frente. Sei que me estendi aqui, mas é para explicar que 2020 não é a minha preocupação.