LEIA TAMBÉM

A Polícia prendeu nesta quinta-feira (5) um dos suspeitos de ser mandante da chacina do Gago, a maior matança já registrada no Ceará, com 14 mortes. Misael de Paula Moreira de 26 anos, está na lista dos mais procurados do Ceará e foi abordado na Rua Eduardo Perdigão, no Bairro Parangaba, quando foi preso. Durante a ação, foram apreendidas uma pistola calibre 9 mm, carregadores, com 31 munições, dois aparelhos celulares e R$ 1.400 em dinheiro.

Em 27 de fevereiro, uma quadrilha invadiu casa de show conhecida como Forró do Gago, onde supostamente estariam membros de facção rival e atirou contra dezenas de pessoas, matando 14. Não há confirmação se as vítimas são membros de grupos criminosos.

Equipes da Coordenadoria da Inteligência acompanhavam o suspeito e acionaram os militares do Comando Tático Motorizado (Cotam) do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque), quando o suspeito estava nas proximidades do ginásio da Parangaba.

Com a aproximação dos policiais, Misael tentou fugir, mas foi preso em seguida. Ele e outras duas pessoas, uma mulher e um homem, foram encaminhados para a sede da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE), para a realização dos procedimentos cabíveis.

continua depois da publicidade

RECOMENDADAS

continue lendo

Outras prisões

Outras 10 pessoas já haviam sido presas por suspeita de participação na Chacina do Forró do Gago. Em fevereiro, foram cumpridos mandados de busca e apreensão em um apartamento no Bairro Cocó, em Fortaleza. No local, foi preso Deijair de Sousa Silva, de 29 anos, conhecido como “De Deus”. Ele também é apontado como um dos mandantes do crime.

Conforme testemunhas relataram a policiais, vários homens armados em três veículos dispararam em que viam pela frente. Entre as vítimas estavam um trabalhador que vendia cachorro-quente em frente ao local e um motorista de Uber que deixava passageiro na festa.

Além das vítimas, pelo menos 18 pessoas ficaram feridas no tiroteio dentro do clube. No dia do crime, o governador do Ceará, Camilo Santana, classificou o ato como “selvagem e inaceitável”.

Com informações do G1 Ceará

ASSUNTOS RELACIONADOS

No Content Available