LEIA TAMBÉM

Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados Fabio Rodrigues Pozzebom/Arquivo/Agência Brasil

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou hoje (21) que vai encaminhar a segunda denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer “com total isenção, cumprindo o regimento da Casa, para que o assunto seja resolvido, dentro do Regimento, o mais rápido possível”.
Segundo Maia, esse tema quase “paralisa” a Câmara dos Deputados, e é importante ter uma solução rápida.

De acordo com o parlamentar, assim que a denúncia chegar à Câmara, Temer será notificado e terá até 10 sessões para apresentar a defesa. A partir daí, o relator terá cinco sessões para apresentar seu parecer. Maia disse acreditar que, se tudo correr como ocorreu na primeira denúncia, em outubro, já haverá decisão a respeito.

Para Rodrigo Maia, é preciso que o governo dê seguimento às reformas, que a economia continue crescendo e o país volte a gerar empregos de carteira assinada. “Acho que esse tem que ser o objetivo”, afirmou Maia. Ele acrescentou que ficará em silêncio daqui para a frente, “até que essa denúncia seja votada na Câmara”.

continua depois da publicidade

continue lendo

Fundo Partidário

Ao participar de evento promovido no Rio pela Embaixada da Argentina, Maia falou também sobre a origem dos recursos para o fundo eleitoral. Segundo ele, os recursos não podem vir da educação, nem da saúde. “O Brasil não aguenta mais tantos gastos”, afirmou. O deputado disse que, se a maioria decidir criar esse fundo, o dinheiro tem que vir da política. “Ele tem que vir do tempo na televisão, inclusive do próprio recurso do Fundo Partidário”.

“Nós não podemos brincar com a vida das pessoas. Colocar R$ 2 bilhões, R$ 3 bilhões em uma eleição sem dizer de onde vai cortar, nós vamos acabar ou aumentando o déficit público, ou tirando de verbas fundamentais”, afirmou Maia. Na opinião do deputado, nem o plenário da Câmara, nem o do Senado vão aprovar isso.

O presidente da Câmara considerou um exagero R$ 3 bilhões para o fundo eleitoral. A seu ver, o ideal é que o valor seja colocado dentro do Orçamento, entre R$ 800 milhões e R$ 1 bilhão. Se já tem R$ 800 milhões do Fundo Partidário, não são necessários R$ 3 bilhões, afirmou. Com menos dinheiro, haverá mais campanha na rua, “que é o que o eleitor quer”.